Notícias

Educação em rede pela erradicação da pobreza infantil

“Congresso Internacional e Interuniversitário Contra a Pobreza Infantil no Mundo” chega ao Brasil, após passar por Espanha e Portugal, para promover a educação em rede como forma de combater toda forma de pobreza infantil: afetiva, financeira ou social. Conversamos com Irene Reis dos Santos, organizadora, sobre a história por trás do evento e o poder da educação.

O Congresso Internacional e Interuniversitário Contra a Pobreza Infantil no Mundo é um evento itinerante: passou por mais de 30 Universidades espanholas, uma em Portugal, em Marrocos, na Colômbia e, agora, chega ao Brasil, reunindo centenas de educadores, alunos, famílias que acreditam na educação em rede como ferramenta de transformação social. O evento acontece na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), nos dias 13 e 14 de outubro.

“A vontade de trazer o congresso para o Brasil surgiu da pergunta ‘Como educar no século 21?'”, conta Irene Reis dos Santos, organizadora do evento, mestranda em Educação e professora de espanhol. “Nosso objetivo é sensibilizar e inspirar para uma educação inovadora”.

Os dois dias de encontro contam com palestras, oficinas e mesas-redondas – todas com a participação de grandes nomes da área, como José Pacheco (Escola da Ponte, Projeto Âncora), Mara Mourão (Quem Se Importa) e até nossa colunista Kátia Chedid, especialista em neurociência na educação.

Irene conta que todo o evento foi construído em rede, por meio de amizades e indicações entre os convidados. “Acreditamos na educação em rede e queremos que esse trabalho se manifeste antes, durante e depois do congresso”, afirma. A agenda foi montada a partir de uma reflexão que incluísse tanto a educação formal quanto a não-formal. Portanto, além de cases de escolas e práticas bem sucedidas dentro da sala de aula, há a participação de ONGs e projetos sociais, como a iniciativa 100 Meninas Negras, que empodera meninas através da leitura de livros com protagonistas negras.

“A educação em rede está em tudo, já está acontecendo”, garante a organizadora. “Agora, estamos nos unindo a várias universidades na Europa que também abriram as portas para esse congresso. Quando a Unifesp oferece seu espaço, também abre as portas para outras instituições de ensino brasileiras, públicas e privadas. Convidamos alunos e suas famílias. Ou seja, nós nos abrimos para acolher todos, então fechamos um ambiente para essas pessoas se conheçam e, enfim, costuramos para que não percam o contato”.

Apesar de o congresso já ter passado por diversos países, a intenção é que ele se adapte à realidade de cada um. A preocupação dos organizadores é conhecer a realidade dos locais para encontrar as temáticas mais relevantes – e, a partir daí, chamar especialistas que falem de soluções, nunca de problemas.

Dentre as temáticas discutidas estarão bullying, autismo, tecnologias educacionais, drogas na escola, habilidades socioemocionais, design thinking na educação, neurociência, migração e pobreza, metodologias cooperativas e até ioga para crianças. Confira a programação completa aqui.

Irene explica que a temática Como Combater a Pobreza Infantil vai além do que se vê. A pobreza pode se manifestar em vários âmbitos: emocional, econômico, afetivo, social. Mas, se você erradica a pobreza na infância, você a erradica da humanidade. “Queremos lutar não somente por uma sociedade sustentável, mas por uma sociedade abundante. Abundante em suas relações interpessoais, abundante financeiramente, que não tenha carências”, resume Irene. “Não existe como erradicar qualquer pobreza que não seja por meio da Educação, e não existe educação que não seja em rede”.

Educação em rede: faça parte desse evento

Congresso Internacional e Interuniversitário Contra a Pobreza Infantil no Mundo acontece na Unifesp nos dias 13 e 14 de outubro. É possível participar presencialmente ou online e ambas as opções serão certificadas. É preciso escolher de quais oficinas participar no momento da inscrição e a taxa para o público é de R$90,00. Clique aqui para saber mais e se inscrever!

3 Comments