Notícias

Educadoras resolvem problemas da escola com Design Thinking

A educadora e orientadora educacional Elisângela Goulart precisava envolver seus alunos nas decisões da escola – o problema é que a maioria dos jovens da Escola Técnica Estadual (ETEC) Dra. Maria Augusta Saraiva, em São Paulo, não mostrava vontade de participar. Enquanto buscava metodologias que pudessem ajudá-la a aumentar o engajamento, deparou-se com o Design Thinking, algo que, até então, desconhecia. Foi aí que a lâmpada se acendeu na cabeça de Elisângela – por que não levar aquela abordagem, tão comum em empresas jovens e startups, para dentro da escola?

O Design Thinking, conforme o nome sugere, é uma forma visual de representar ideias e pensamentos. Ele envolve coletar e sintetizar informações, criar mapas mentais, propor e testar soluções rapidamente através de painéis coletivos – preenchidos com palavras-chave, post-its, recortes ou desenhos que expliquem claramente o desafio. A abordagem costuma ser empregada para resolver problemas e estimular a criatividade, coisas que a orientadora almejava.

“O processo criativo não acontece de qualquer jeito”, ela constatou; então, era preciso criar um ambiente que proporcionasse essa abertura. Encontrei Elisângela na manhã de sexta-feira (01/04), em sua sala na ETEC, que foi totalmente transformada para inspirar conforto, diálogo e criatividade – tudo com base no Design Thinking e na ideia de que o espaço, o visual, pode melhorar ou comprometer a comunicação. Desde o ano passado, essa ideia se espalhou tanto entre os alunos quanto entre a equipe da escola, e já foi inclusive implementada nas reuniões pedagógicas.

Design Thinking e a resolução de problemas

Mas como foi que o Design Thinking de fato transformou a rotina dessa escola? A jornada começou no segundo semestre de 2015, logo após o recesso escolar. Elisângela havia descoberto a metodologia e a levou para a direção da escola, que abraçou a ideia. Ela e a coordenadora do Ensino Médio, Vanessa Giron, assumiram o projeto acreditando que “se os alunos fazem parte do problema, eles precisam fazer parte da solução”.

Usando Design thinking, alunos do Ensino Médio traçaram sonhos e pesadelos quanto à sua escola.
Usando Design thinking, alunos do Ensino Médio traçaram sonhos e pesadelos quanto à sua escola.

Os alunos do Ensino Médio foram convidados a participar de um projeto que mapeasse boas ideias para transformar a escola. “Não definimos com antecedência quais problemas queríamos resolver, foram os alunos quem os trouxeram”, explica a orientadora.

Dispondo de um flipchart e canetas coloridas – materiais ao alcance da maioria dos professores -, eles anotaram “sonhos” (aquilo que a escola não tinha, mas que eles gostariam que tivesse) e, em uma próxima coluna, acrescentaram “pesadelos” (o que a escola já possuía, mas não funcionava como deveria). Tudo em poucas palavras e muitos papéizinhos coloridos para direcionar a atenção e conectar ideias.

Uma das preocupações que se destacou entre os alunos foi quanto à área de convivência; logo, esse passou a ser o foco do projeto. O passo seguinte foi trazer inspirações – e lá está uma página do flipchart cheia de recortes e desenhos, a representação visual do que os alunos queriam para sua escola. O Design Thinking permitiu que identificassem possíveis empecilhos (e se o espaço de convivência for usado para matar aula?) e esperanças (podemos ter aulas de artes nesse espaço?).

Por fim, os alunos definiram algumas palavras-chave para orientar a criação desse novo espaço: recordações, conexão, natureza, movimento. Porém, ele ainda não foi criado – antes de submeter o projeto para aprovação da direção da escola, os alunos vão tentar criar um protótipo trazendo seus próprios móveis, decoração e equipamentos para observar como as turmas interagem com o novo ambiente.

Replicando o sucesso do Design Thinking

Para educadores, Design Thinking será vantagem para os alunos no mercado de trabalho - e já está sendo usado nas reuniões da escola.
Para educadoras, Design Thinking será vantagem para os alunos no mercado de trabalho – e já está sendo usado nas reuniões da escola.

Mesmo fora do projeto, Elisângela percebeu uma mudança de atitude entre os alunos que aprenderam a usar Design Thinking. “Todos se sentiram integrados, parte de um processo”, comentou, “e alunos e professores foram contagiados por ele”. Outras práticas surgiram, inspiradas por aquele primeiro sucesso: hoje, tanto os encontros do grêmio estudantil quanto as reuniões de professores seguem esse modelo de gestão. A equipe reconhece forças, fraquezas, oportunidades e ameaças (outra prática comum em empresas, facilitada pelo Design Thinking) para definir as intervenções mais urgentes na escola.

Vanessa explica que ter contato com esse tipo de metodologia ajudará os alunos no mercado de trabalho, já que desenvolve o pensamento crítico, a criatividade e a experimentação. “Mas também podem ser aplicadas para alcançar objetivos na vida pessoal”, assegura ela, que já fez seu próprio painel para planejar o ano na parede de casa.

A jornada das duas educadoras com o Design Thinking ainda vai render muito aprendizado. Esse ano, elas vão ajudar os alunos a prototipar o espaço de convivência, orientar o grêmio estudantil com base na nova abordagem visual e acompanhar e formar a equipe pedagógica para pensar em soluções criativas para a escola. Tudo isso vai estar aqui, no InfoGeekie! A partir deste mês, a orientadora Elisângela Goulart e a coordenadora Vanessa Giron terão uma coluna quinzenal no nosso portal para falar de sua experiência com o Design Thinking e suas aplicações na realidade do educador. Tem dúvidas ou quer saber mais? Mande para a Geekie através do email marcela.lorenzoni@geekie.com.br ou deixe seu recado nos comentários.

10 Comments

  1. 3 de abril de 2016 at 14:44 — Responder

    Ferramenta muito importante , ainda mais quando aplicada com maestria como executaram, isso é transformação do ambiente de trabalho através do planejamento! Para a gestão escolar essa atitude não tem preço ! Parabéns professora Elizagenla e Professora Vanessa !

    • 22 de março de 2017 at 03:00 — Responder

      I feel ya! I'm still waiting to find out if a couple of places will iniervtew me for academic jobs and all the waiting can be really stressful and draining. I have my fingers crossed for you, Chelsea! I love those loafers!

  2. 4 de abril de 2016 at 14:56 — Responder

    “A motivação é como alimento para o cérebro, você não pode ter o suficiente em uma refeição, precisa de recargas contínuas e regulares para nutrir a fundo e transformar um ser humano em um vencedor.” (Peter Davies, empresário britânico e cineasta) Parabéns Professora Elisângela e Professora Vanessa

    • 22 de março de 2017 at 03:22 — Responder

      I’ve enjoyed reading Marie’s Cobbled Court Quilts series and have introduced others to it. Just recently, one of my friends asked, &#&7;0;Isn8#82122t it time for another book by Marie Bostwick?” We were thrilled to find another would be published so soon.

  3. 4 de abril de 2016 at 15:48 — Responder

    Parabéns Prof Elisângela e Prof Vanessa pela iniciativa, sucesso que nos inspira!

    • 22 de março de 2017 at 03:20 — Responder

      Hi VijaySome here. Googlebot dont crawl my site for 1 month and I dont know how I have 10&01#80;s of 401 that i dont know where they come from…and my page rank is now zero :(

  4. 10 de novembro de 2016 at 12:05 — Responder

    Yo no estoy de acuerdo con lo aqui expuesto, pienso sinceramente que hay muchos elementos que no han podido ser considerados en cuenta. Pero valoro mucho vuestra exposicion, es un buena web.
    Saludos

    • 22 de março de 2017 at 02:59 — Responder

      16/05/2010 – 4:aj5mJajap1, Alonso y los demás deportistas que han hecho algo cuando a ellos (M) le ha convenido, le has sacado a Maraca muchas veces las castañas del fuego. Alonso ha hecho una gesta quedando 7º, pero a mi se me ha quedado la cara tonto, cuando le ha adelantó Schummacher en las últimas curvas. Se ha confiado y zas, el alemán delante cuando vió que derrapó el F10, que por cierto muy atento.Por lo que creo que no lo sacaran a toda página.

  5. 20 de março de 2017 at 22:40 — Responder

    Adorei!!! Vou aplicar com minhas turmas de Ensino Médio.Em breve postarei as experiências. Geekie, como sempre, inovando, sugerindo novas práticas.

  6. 22 de março de 2017 at 03:04 — Responder

    there’s a diffnreece. The ‘justice’ department acted fully on its own. You cannot raze a home and confiscate all sorts of things without a court order. No caourt order was in place, in fact, the JD hasn’t even decided yet whether or not to bring the case before a judge. Last time we had this sort of activity was in WWI, Gestapo methods…

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *