Cases

Parceria entre CPFL e Geekie em Botucatu traz resultados para toda a comunidade escolar

Em Botucatu, mais de 6.700 alunos foram beneficiados pela parceria entre CPFL e Geekie. Confira essas histórias inspiradoras!

A companhia de energia CPFL já destinou mais de R$ 12 milhões em programas de gestão nas áreas de saúde e educação. Na educação, desde 2015, a parceria é com a Geekie. Ao longo desse tempo, 61 escolas já foram beneficiadas e, apenas em 2017, mais de 4700 alunos de 15 escolas foram impactados pela iniciativa. O objetivo do projeto é realizar uma transformação educacional através do uso de ferramentas que possibilitem diminuir as lacunas de aprendizado dos alunos, além de proporcionar a capacitação de professores e gestores regionais.

Nesse programa, muitos dos alunos da 1ª a 3ª série do Ensino Médio da rede estadual e alunos do 6º ao 9º ano da rede municipal de Botucatu, interior de São Paulo, acessaram pela primeira vez o Geekie Lab, plataforma de apoio ao professor que oferece videoaulas, resumos e exercícios para complementar o conteúdo de sala de aula e traçar trilhas de aprendizagem personalizadas para cada aluno. Além disso, o projeto também prevê encontros para formação de professores e aplicações do Geekie Teste, ferramenta de avaliação externa que auxilia a tomada de decisões pedagógicas e na eficiência do ensino, gerando informações sobre o desenvolvimento cognitivo de cada aluno.

Leia mais: Em mais um ano de parceria, CPFL e Geekie apostam em tecnologia educacional na escola pública

EMEF Luiz Tácito Virginio dos Santos: “A Geekie vem para ser um suporte do professor”

E a EMEF Luiz Tácito Virginio dos Santos é uma das 15 escolas de Botucatu beneficiadas por essa parceria. O caso deles é uma história de superação. “Nossa comunidade é bastante carente e muitas vezes o acesso aos recursos tecnológicos ocorre somente dentro do ambiente escolar”, diz José Gustavo Celestino de Campos, coordenador da escola.

O início do projeto foi desafiador para a instituição. Os recursos dos laboratórios de informática eram um dos principais obstáculos. “As máquinas eram antigas e a quantidade não era suficiente. Ao usar tablets, conseguimos superar isso”.

Outro desafio foi a reação dos professores. “No início, os professores não estavam muito confortáveis com a novidade. Já em um segundo momento, após conhecerem a plataforma, esses sentimentos foram desaparecendo e achamos os resultados bem satisfatórios. A Geekie vem para ser um suporte do professor e ajudá-lo a estar buscando novas tecnologias”, diz José.

O coordenador ainda destaca que um ponto que gosta bastante da plataforma é a ligação com o cotidiano do aluno: “as aulas do Geekie Lab são bem diversificadas e sempre mostram para o aluno algo próximo da realidade dele”. Entre os professores, a nova funcionalidade de indicação de anexos disponível no Geekie Lab faz sucesso. José conta que “os professores, principalmente de Ciências, Matemática e Língua Portuguesa, buscam aulas externas e as anexam dentro da plataforma para seus alunos. Assim, o Geekie Lab atua como um complemento ao dia a dia do educador”.

Gincana Geekie em Botucatu com escolas participantes do projeto

No dia 17 de outubro, foi realizada uma gincana da Geekie com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental de três escolas de Botucatu: a EMEF Dr. João Maria de Araújo Jr., a EMEF Prof. Jonas Alves de Araújo e a EMEF Luiz Tácito Virginio dos Santos. A atividade era baseada na resposta dos estudantes a perguntas do Geekie Lab. José diz que “no primeiro momento, nós, da Luiz Tácito, ficamos receosos de participar pois não sabíamos o que íamos encontrar lá. Ao conversar com os alunos, resolvemos conhecer coisas novas e sair da zona de conforto, que é dentro da nossa escola. Então aceitamos o desafio.”

E a equipe vencedora foi… a EMEF Luiz Tácito! O coordenador da escola compartilha que essa vitória trouxe muitas mudanças pois a gincana contribuiu para que os alunos percebessem “que o Geekie Lab é uma plataforma que faz muito sentido para o contexto em que estão inseridos. Também começaram a ser mais atuantes e responsáveis com as atividades. E tudo isso contribuiu para uma maior motivação e dedicação no uso do Geekie Lab.” Outro ponto destacado como positivo dessa ação foi a interação e a relação entre escolas: “muitas vezes ficamos restritos à outras atividades e esquecemos da importância disso”, diz José.

Quando perguntado sobre a importância do Geekie Teste, José fala que ajuda a “direcionar nosso trabalho e nossas aulas. Também auxilia a escola a dar mais qualidade no ensino”.  Assim como no Geekie Lab, no primeiro momento, ou seja, na primeira avaliação, os professores estavam receosos. Após isso, “nós conversamos mais com nossos professores, mostrando para eles a importância de ter o Geekie Teste como meio para auxiliar a busca de melhor qualidade de ensino. Esse papo aumentou o engajamento dos professores”, fala o coordenador. Assim, os professores estão mais capacitados e agora o foco é buscar uma melhor qualidade das aulas.

E. E. Profa. Sophia Gabriel de Oliveira: “a situação em que estávamos para a situação em que estamos hoje é um avanço”

Outra escola beneficiada pela parceria entre a Geekie e a CPFL é a E. E. Profa. Sophia Gabriel de Oliveira. O caso deles também é marcado pela superação. O principal desafio dessa escola em Botucatu é a infraestrutura: “não temos um computador para cada aluno. No cenário ideal, precisaríamos de 40 a 45 computadores. Por isso, levar os alunos para a sala de informática é muito difícil”, diz Nilza Bissacot de Mello Ferrari, coordenadora da escola.

Por causa disso, a escola foi atrás de algumas alternativas à sala de informática, e achou uma bem interessante. Nilza explica: “nós implementamos um ponto de internet na sala de vídeo. Assim, os professores podem levar os alunos para assistirem à aulas e fazerem atividades juntos”. E esse não é o único jeito de utilizar o Geekie Lab – os estudantes também podem utilizar a plataforma no fim de semana pelo programa ‘Escola da Família’ e, além disso, conseguem usar a plataforma quando e onde quiserem – pelo celular ou pelo computador.

Dentre os educadores que estão utilizando o Geekie Lab, existem alguns destaques: os professores de Filosofia e Sociologia, de História e de Química. Todos eles indicam aulas e dão tarefas de casa para os alunos. Por isso, Nilza acredita que a plataforma é um recurso de aprendizagem contínua para o professor.

Além dos educadores, os alunos também gostam do Geekie Lab. “Os formatos das aulas e a metodologia é bem interessante – no início, o aluno recebe uma orientação sobre o assunto, e então é sugerida a visualização de uma videoaula e depois são indicadas algumas questões”, compartilha Nilza, que acompanhou algumas aulas na sala de informática.

“Quando os alunos vão para o laboratório e o professor passa atividades, os alunos gostam e se interessam pela aula.” Nilza Bissacot de Mello Ferrari, coordenadora da E. E. Profa. Sophia Gabriel de Oliveira

E, por causa do uso do Geekie Lab, Nilza acredita que ocorreram algumas mudanças na aprendizagem dos alunos: “quando falam que o aluno não aprende e não sabe, eu acho que é porque a aula é desinteressante. Toda vez que o estudante participa em uma aula em que de fato o conteúdo é mostrado e explicado, ele sempre tem uma aprendizagem.”

Leia mais:

SHARE

Parceria entre CPFL e Geekie em Botucatu traz resultados para toda a comunidade escolar