Notícias

Aprendizagem colaborativa para alunos protagonistas

A aprendizagem colaborativa argumenta que as pessoas aprendem melhor coletivamente. Para esse efeito, vale colocar alunos para trabalhar em equipes, organizar atividades de monitoria e, é claro, experimentar ambientes virtuais que potencializem a interação entre estudantes, professores e comunidade. Também conhecida pelo termo em inglês social learning, a aprendizagem colaborativa requer a participação ativa dos alunos na construção do conhecimento, inserindo debates, reflexões e exercícios práticos na rotina escolar – e a tecnologia, como sabemos, pode ser uma parceira valiosa nesse processo!

As vantagens da aprendizagem colaborativa

Romper com o modelo de aula tradicional e reorganizar espaços para a inovação, como você pode imaginar, exige algum tempo e esforço; especialmente no começo, quando professores e alunos estão se adaptando. Então, por que sair da zona de conforto e colocar em prática abordagens de aprendizagem colaborativas? Estes são alguns dos (muitos) benefícios:

1. Apresenta aos alunos novas fontes de conteúdo: Verdade, pela idade e experiência, o professor tem uma posição de autoridade em sala de aula – mas já se foi o tempo em que podia ser considerado a fonte de todo o conhecimento. Os professores sabem disso, os alunos, também. Eles também sabem que há uma infinidade de canais em que podem buscar informação e a escola precisa se apropriar dessa realidade, usando ambientes digitais a seu favor.

Muitas plataformas online permitem que a turma aprenda através de vídeos, games e exercícios corrigidos automaticamente. É possível filtrar atividades de acordo com a área de conhecimento, o nível de cada aluno e o grau de escolaridade, personalizando o aprendizado conforme o ritmo de cada estudante. Além disso, respostas às dúvidas podem ser dadas em tempo real com fóruns de discussão e aplicativos de mensagens.

2. Gera cooperação em sala de aula: Por mais difícil que seja conceber a ideia, deixar que os alunos trabalhem em conjunto e mesmo resolvam questões coletivamente pode ser um trunfo para o aprendizado significativo – ao contrário da ideia de que eles estão “colando” e, portanto, não absorvendo o conteúdo (pense bem: quando, que não na escola, você é obrigado a responder uma pergunta sem autorização para consultar um conhecido ou pesquisar na internet?). A aprendizagem colaborativa aposta no poder de ser ensinado por um igual, ou seja, por outros colegas.

Dinâmicas de grupo podem ser planejadas tanto online quanto offline. É interessante organizar alunos com habilidades diferentes dentro de um mesmo tema como, por exemplo, um aluno muito criativo e outro com ótima redação para que escrevam juntos uma história. A tendência, nesse cenário, é que um ajude o outro com seus pontos fracos e ainda exercitem as competências que já possuem ao ensinar o colega. Aqueles que dominam conteúdos mais complexos se beneficiam ao explicá-lo para outras pessoas, porque o memorizam, além de sentirem satisfação pessoal ao ajudar.

Aprendizagem colaborativa com o Geekie Lab

Com o Geekie Lab, alunos podem se preparar para aulas de reforço e mentorias e comparar sua evolução após o estudo.
Com o Geekie Lab, alunos podem se preparar para aulas de reforço e mentorias e comparar sua evolução após o estudo.

O Geekie Lab é uma plataforma de aprendizagem adaptativa que reúne os conteúdos abordados em sala de aula em um ambiente virtual. Para os alunos, é uma oportunidade de se preparar para a aula, aprofundar-se nos temas que têm interesse e identificar lacunas no aprendizado – já que o Geekie Lab tem também a função de diagnosticar os domínios e dificuldades de cada aluno, oferecendo planos de estudo personalizados. Para professores e gestores, a plataforma oferece dados sobre cada estudante, turma  e escola, ajudando a definir as intervenções pedagógicas mais necessárias para melhorar os resultados. Ok, ok. E o que o Geekie Lab tem a ver com a aprendizagem colaborativa? A primeira opção é usá-lo em grupos de estudo. Assim, os alunos assistiriam aos vídeos sobre um determinado tema para resolver, juntos, os exercícios. Como a plataforma mostra erros e acertos imediatamente, os resultados podem gerar discussões em que a turma aponta onde se enganou e sugere caminhos alternativos para chegar à solução correta!

A segunda proposta é inserir o Geekie Lab em grupos de monitoria e reforço escolar. A ideia é que os tutores sejam os próprios estudantes que apresentam melhor desempenho naquela disciplina. O Geekie Lab é usado antes do encontro, para que os alunos se preparem, e novamente após os estudos, para que o conteúdo seja absorvido e os resultados, comparados.

Cadê o professor?

Em todas as situações acima, cabe ao professor acompanhar as atividades e orientar os grupos, ainda que de forma distanciada. É ele quem vai agrupar os alunos, pois tem uma visão geral de suas habilidades, assim como definir o tempo e o objetivo de cada encontro. Como a aprendizagem colaborativa propõe justamente que o ritmo dos jovens seja respeitado, o plano de estudos traçado pelo professor não precisa – nem deve – ser o mesmo, replicado a todos.

As atividades serão mais eficazes se o professor se sentir confortável na plataforma, entender seu funcionamento e dominar os conteúdos que serão abordados; afinal, sua ajuda pode ser necessária par atirar dúvidas pontuais ou provocar reflexões. Com esse domínio, será mais fácil para ele monitorar o engajamento e a evolução dos alunos no Geekie Lab através dos relatórios individuais. Esses dados são essenciais para que o professor identifique lacunas no aprendizado da turma e planeje suas próximas aulas com intencionalidade.

1 Comment

  1. 7 de maio de 2016 at 22:53 — Responder

    Yum! Sometimes the girls and I go to the mall specifically to eat Auntie Anne’s pretzels and drink lemonade. They are SO good. I’ve never made pretzels at home bee8fr&#o230; we’ll have to try it out!

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *