Colunas

Professores e gestores que aprendem

Escolas que aprendem são escolas que oferecem um ambiente propício ao aprendizado não só dos alunos, mas também dos professores e gestores. Essa parece uma afirmação óbvia, mas o que está por trás desta ideia?

Há 4 anos, presenciamos um movimento de escolas inovadoras que, na sua essência, alteraram a sua proposta pedagógica, que incluía a remoção de paredes, um tablet por aluno, aprendizagem por projeto e espaços makers. A intenção era serem percebidas como inovadoras, como escolas que estavam a frente do seu tempo. Pela nossas experiências, pesquisa e relatos que coletamos, essas escolas tinham as seguintes motivações:

  1. A ideia que a nova proposta tinha valor e por isso seria aceita pelos atuais e novos alunos/pais;
  2. Como resultado desta percepção de valor, haveria fidelização e incremento de receita.

Infelizmente, algumas iniciativas foram malsucedidas, ocasionando para algumas escolas a perda de mais de mil alunos em um ano. Algumas escolas já aprenderam a implementar mudanças no projeto pedagógico sem causar grandes impactos, mas ainda falta implementar uma mudança essencial para criar um círculo virtuoso de inovação: mudança de cultura. Escolas que querem inovar permanentemente precisam aprender a aprender. Perceba que a lógica é a mesma para alunos e professores/gestores –  aprendizagem.

As startups, empresas consideradas extremamente inovadoras nascem com essa cultura de aprendizagem e por isso conseguem criar soluções melhores, em menos tempo, com baixo custo e menos investimento do que as grandes empresas.

Uma escola que aprende é aquela que tem:

  1. Foco na aprendizagem, e não no ensino;
  2. Modelo de gestão compartilhada e horizontal;
  3. Mecanismo de feedback rápido e transparente;
  4. Prioriza a formação dos seus professores, desenvolvendo não só as competências técnicas, mas as socioemocionais;
  5. Usa o diálogo com pais, alunos, professores e equipe administrativa, como mecanismo de autoavaliação e aprimoramento;
  6. Usa a rede e os ativos locais para potencializar o seu aprendizado e dos alunos;
  7. Está conectada no mundo, captando e gerando valor.

Escolas que adotam a cultura de aprendizagem descobrem mais oportunidades e as exploram com mais facilidade.

Este modelo de escola consegue capturar valor das oportunidades e transformar em soluções educacionais desejadas por alunos, pais e professores.

Há uma revolução acontecendo no mundo. Novas profissões, modelos de trabalho, modelos econômicos, configurações familiares. A sua escola é uma escola que aprende e está preparada para desenhar o futuro?

Leia mais:

* Thiago Chaer possui mais de 15 anos de experiência em inovação e tecnologia digital. É sócio-fundador e CEO da Future Education, aceleradora de startups de educação. Atua como palestrante e mentor de startups de EdTech. Já trabalhou com grandes instituições, entre elas o Parque Tecnológico de Itaipu, FIEP, Sesi/PB, Senac/SP, Sinepe/ES, Universidade Positivo, Prefeitura de Itanhaém, Sicredi e Sinepe/PR. É diretor do comitê de EdTech na ABStartups e e membro da Comissão de Especial de Educação Digital na OAB (2016-2019), sendo coautor do Compromisso de Privacidade de Dados Educacionais.