Colunas

Saiba qual o perfil profissional almejado pelo Google e o que isso tem a ver com a escola contemporânea

Debora Garcia discorre sobre a similaridade entre o perfil profissional que o Google busca e a escola contemporânea. Ao aluno, não basta mais deter conhecimentos – torna-se necessário aplicá-los no dia a dia. Confira!

Vamos imaginar a seguinte situação hipotética: um jovem brasileiro, educado nas melhores escolas, adora tecnologia e faz muitos cursos de aperfeiçoamento na área, pensando na sua futura carreira. Com grande esforço pessoal, vai parar em uma universidade de enorme prestígio. No início tudo são flores e ele está empolgado com a aprendizagem, mas com o tempo, se encanta com a vida agitada e boêmia do campus e acaba tendo um rendimento mediano durante seu curso – apesar de ter passado em um vestibular muito disputado e para o qual dedicou meses de preparo.

Esse mesmo jovem tem características bem demarcadas: é impetuoso, porém nem sempre gosta de trabalhar em grupo. De alguma forma aprendeu que fazer tudo a seu modo permite que atinja resultados com mais facilidade. Afinal, foi assim, com seu próprio esforço e mérito, que conseguiu entrar em uma ótima universidade, ele reflete. Por causa de toda essa trajetória, também se leva em alta conta, muitas vezes julgando-se o herói da situação, sendo considerado por seus pares como arrogante e individualista em algumas situações.

Acabada a faculdade, com diploma em mãos, ele se acha mais do que apto a concorrer a uma vaga no Google (seu sonho de adolescência em uma das empresas no topo do ranking das mais desejadas do mundo quando o assunto é trabalho). Mas ele bate na trave e se decepciona. Não vai adiante no processo seletivo que ele acreditava estar “no papo” e em algum momento ouve dos entrevistadores que ele não tem o perfil para a empresa. O que deu errado? Ele tinha “tudo” pra ser selecionado, pensava o garoto.

O que busca o maior buscador mundial?

O Google recebe uma média de 2 milhões de currículos por ano. Um número avassalador de interessados que pleiteia uma vaga de trabalho em um dos maiores gigantes da tecnologia e inovação do planeta. E o jovem protagonista da nossa história não é diferente. Está no meio desses milhões de candidatos que sonham em entrar para o quadro da cobiçada corporação do Vale do Silício. Mas o que ele não sabe é o que de fato interessa à empresa.

Com um clima de trabalho intenso e muito exigente, o Google está sempre em busca dos melhores perfis, de gente eminentemente boa para tornar-se membro de sua equipe. Os gestores de lá costumam dizer que fazer uma faculdade de prestígio não é exatamente o que eles mais valorizam. E a explicação é a seguinte: é melhor um perfil que tenha vindo de uma universidade mediana, mas com uma atitude inovadora, corre atrás de novidades e fazendo a diferença, do que um aluno mediano de um uma badalada universidade. O que está em jogo são as “mentalidades diferentes”, aqueles perfis profissionais que podem agregar valor real ao negócio.

E agora, mais uma outra surpresa que vai na contramão do senso comum em torno do Google: não é necessário que o(a) candidato(a) tenha conhecimento ou experiência prévia com tecnologia. A não ser, claro, se for para trabalhar nessa área diretamente. O que se valoriza por lá é a inteligência e a capacidade cognitiva da pessoa. Mais ou menos assim: o quanto o(a) profissional consegue aprender em termos de novos conteúdos, estabelecendo novas correlações e hipóteses e tornando-se apto(a) a resolver problemas de maneira propositiva e criativa.

Perfil profissional
O Google procura um perfil profissional que pense fora da caixa

Eles também buscam perfis com liderança. Isso não quer dizer que queiram pessoas com vontade de chefiar equipes e de mandar. O que se quer são pessoas com iniciativa e capacidade real de mobilizar times de colaboradores. Exemplo: andou pelo corredor da empresa e viu algo errado? Conserte. Ou procure quem possa oferecer ajuda imediata. Não espere que um superior o peça para fazer algo.

Outra característica altamente desejada na empresa que dita o ritmo da evolução digital no mundo: ser alguém interessante com quem seja prazeroso trabalhar. Nesse sentido, não há lugar para pessoas arrogantes, individualistas ou que se considerem heróis das situações, sem levar em conta o conjunto. Lembram do nosso jovem impetuoso e cheio de si do início do artigo? Então, dá pra perceber que ele não era mesmo o perfil da empresa.

Além desse conjunto de características que estão mais ligadas à atitude e à forma de elaborar pensamentos próprios e soluções criativas para problemas reais, alguém que trabalhe na empresa também tem que ter o que eles denominam de “Googliness”. São aqueles que têm no DNA o desejo de realizar coisas, de entregar. Pra isso nem sempre um apego à hierarquia ou a estruturas rígidas é bem-vindo. Quando algo precisa ser feito a atitude desejada não é esperar por uma ordem, mas seguir adiante com responsabilidade e competência.

O Google e o modelo de escola inovadora que queremos

Inovação Google
A inovação é essencial – tanto na escola quanto no profissional do século XXI

Mas por que é importante saber o que busca o Google em termos profissionais? Bem, minha suspeita é simples. Uma das razões mais óbvias é que é impossível conceber o mundo contemporâneo sem considerar essa ferramenta de busca que já virou sinônimo de oráculo para muitos de nós. Não é à toa que eles usam o bordão: “se existir, está no Google”. Estamos falando de um gigante da informação, sendo o buscador mais utilizado do planeta. Atendendo a nada mais, nada menos, que 4,5 bilhões de pessoas em 160 países do mundo. E detendo uma variedade de outros produtos tão fascinantes quanto a própria empresa-mãe: Android, Gmail, Google Maps, Google Plus, Youtube… Basicamente não é possível pensar a contemporaneidade sem sermos atravessados por algum serviço ou produto da imponente corporação de Larry Page e Sergey Brin. Trata-se de uma instituição que, para o bem ou para o mal, dá o tom e ritmo da evolução digital a que estamos todos submetidos, quer gostemos disso ou não.

 

Uma rápida olhada no Google Trends, por exemplo, mostra que os tópicos mais procurados da semana tiveram relação direta com a temporada de furacões no sul dos EUA, com a política de Trump e também com a ameaça iminente de guerra contra a Coréia do Norte. O Google é também termômetro. Bússola. Compasso. Mapa. Guia. Quase um Santo Graal da pós-modernidade. Nisso reside sua incomensurável importância.

O século XXI traz desafios enormes para a educação das novas gerações. As tecnologias estão cada vez mais presentes em sala de aula e os alunos precisam estar preparados para atuar de forma competente em um mundo em transformação constante.

Para o aluno desta nova era, não basta deter conhecimentos. É preciso articulá-los, aplicá-los na vida tangível, é importante saber dividir os conhecimentos obtidos, a ter consciência crítica, criando ambientes favoráveis para troca de conhecimento.

Isso é certamente mais valioso do que saber de memória os afluentes do Rio Amazonas. Até porque isso se encontra rapidamente em uma busca no Google!

De alguma maneira o mundo em que vivemos parece moldar-se exatamente para a produção exponencial de conhecimento. Algo tão veloz quanto os problemas que se apresentam a nós diariamente e que precisam ser entendidos, encaminhados, solucionados.

Se há algo para se aprender com o Google em termos bem práticos, é perceber o que eles valorizam em termos de aprendizado e modelos de educação, gerando valor com esse processo todo. Fica aí a dica para navegarmos com um pouco mais de destreza em meio aos desafios e à complexidade do século XXI.

* Débora Garcia é Pedagoga, Mestre em Educação pela UFF, Fulbright Scholar pela Georgia State University, GA e Especialista em Gestão do Conhecimento pela Coppe-UFRJ. É gerente de Conteúdo do Canal Futura e uma das autoras do livro “Destino: Educação – Escolas Inovadoras”, publicado pela Fundação Santillana/Ed. Moderna. Em  2017, em conjunto com Daniela Kopsch e  Daniela Belmiro,  idealizou e criou o blog “3Devi”, um espaço para contos, ensaios e reflexões da mulher contemporânea.  Acesse o blog em https://medium.com/3devi e entre em contato: deborag@futura.org.br

Leia mais:

 

1 Comment

  1. 4 de novembro de 2017 at 05:41 — Responder

    I have noticed you don’t monetize your website, don’t waste your traffic, you can earn additional cash every month
    because you’ve got hi quality content. If you want to know how
    to make extra bucks, search for: Boorfe’s tips best
    adsense alternative

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *