Notícias

Escolas Associadas da UNESCO discutem os desafios da educação brasileira

Encontro de Escolas Associadas da Unesco acontece em outubro sob o tema “Os desafios do amanhã na agenda de hoje”. Conversamos com o palestrante Vanderlei Martinianos sobre o evento, sua visão da Educação brasileira e apostas para o novo milênio.

Vanderlei Martinianos é engenheiro de tecnologias educativas – um termo cunhado por ele mesmo após diversas capacitações, incluindo um mestrado em engenharia pedagógica na França. De volta ao Brasil para palestrar no Encontro Nacional do Programa de Escolas Associadas (PEA) da UNESCO, ele admite que suas posições quanto à Educação são bastante polêmicas: “Quero levar ao evento da UNESCO um discurso diferente, disruptivo, pouco esperado pelos educadores, mas que levante reflexões muito necessárias”, afirma.

O termo engenharia tem tudo a ver com sua fala – para Vanderlei, a Educação do futuro será vista justamente como uma forma de engenharia. O que isso quer dizer? Que o professor passa a agir com embasamento científico em suas práticas pedagógicas, explorando dados, fazendo prognósticos, aliando-se a ferramentas digitais que facilitem e orientem seu trabalho.

“Hoje, a formação do professor olha pelo retrovisor da história”, provoca Vanderlei, “há pouco espaço para criar, para experimentar. Pouco se fala em estatística, forecasting tecnológico, gestão de projetos ou neurociência, áreas que podem contribuir muito com a qualidade da Educação”. O resultado, segundo ele, é um ensino engessado, em que há pouca liberdade para o professor refletir e inovar – deixando a construção de tecnologias educacionais para outros profissionais, que só em um segundo momento vão se adaptar à realidade das salas de aula. O professor, portanto, deveria caminhar para se tornar autor.

Baixe nosso ebook gratuito: Pequeno glossário de inovação educacional

Tecnologia e desenvolvimento integral se excluem?

De forma alguma. Vanderlei garante que o olhar de engenheiro não pretende transformar pessoas em máquinas e números; pelo contrário, dá a possibilidade de observar o desenvolvimento de cada indivíduo, compreendendo suas particularidades e personalizando sua aprendizagem.

Nesse contexto, qual o novo papel do professor? Para esse palestrante da UNESCO, o professor “passa a ser um maestro, capaz de compreender todo o processo educativo e apontar caminhos, garantindo que cada estudante atinja seu pleno potencial”.

Ele é também um profissional que promove a reflexão, a criação e o questionamento em torno do uso da tecnologia – afinal, seu uso não deve ser banalizado, é preciso intencionalidade. A escola do futuro deve ser capaz de educar cidadãos que não somente consumam ferramentas digitais, mas que o façam com senso crítico, discernindo quando a tecnologia faz ou deixa de fazer sentido, em que contribui, quais as interações e experiências proporcionadas, como usá-la para criar novos produtos e realidades.

O futuro da educação é global

“Em um ciclo de dez anos, as ferramentas tecnológicas mudam completamente”, sentencia Vanderlei. Devido ao crescimento exponencial da tecnologia, ensinar apenas o operacional não é suficiente: ele se torna rapidamente obsoleto. Em sua fala no Encontro de Escolas Associadas da UNESCO, o engenheiro pretende abordar o futuro da Educação.

“Uma Educação que, apesar de tecnológica, tenha como objetivo humanizar mais, minimizar preconceitos, desenvolver capacidades cognitivas sem perder nunca sua veia local”, imagina Vanderlei.

De acordo com ele, a Educação passará por uma revolução – assim como, agora, passa o mercado, com o advento da 4ª Revolução Industrial e o desenvolvimento da nanotecnologia, biotecnologia, as ciências cognitivas e a informática. A Educação do futuro será gratuita, online e amplamente disponível; tão acessível quanto são hoje o email ou outros serviços online. “Fazendo previsões com base no contexto atual, aposto em uma Educação global, com objetivos mais comuns – ou seja, talvez, você se formar aqui ou na China tenha um valor muito próximo. Os conteúdos serão divididos entre aqueles que fazem sentido em um mundo globalizado e aqueles específicos às culturas locais”.

O Encontro do PEA-UNESCO

Vanderlei Martinianos será um dos palestrantes convidados no Encontro Nacional das Escolas Associadas da UNESCO, que acontece nos dias 5, 6 e 7 de outubro em Natal. O evento vai contar com a presença de Sabine Detzel, Coordenadora Internacional do PEA, e o Ministro da Educação, Mendonça Filho.

A palestra de Vanderlei se chama “O futuro das tecnologias educativas”. Outras temáticas serão “Falar de futuro é falar de valores. Mas que valores?” e “Educação humanista e inovadora”. Você pode conferir a programação na íntegra clicando aqui.

Gostou desse artigo? Você também pode gostar dos artigos abaixo:

1 Comment