Colunas

Como reconhecer uma escola inovadora?

Neste artigo, Debora Garcia traz algumas dicas de como identificar uma escola inovadora. Conheça algumas características-chaves que podem transformar uma escola em um ambiente inovador:

.

Entre os especialistas em educação, já se tornou um chavão o uso da seguinte frase: se alguém do século XIX revivesse em 2018, se espantaria com o que veria pela frente: tudo estaria mudado. Dos transportes à alimentação, passando pela indústria cultural, distribuição de energia, fármacos, infraestrutura urbana, arquitetura, saúde. Mas se fosse visitar uma escola, se sentiria em casa! Cadeiras enfileiradas, professores que “professam” seu saber, alunos que são avaliados a partir de provas e notas classificatórias, conteúdo pouco ou nada relacionado com a vida real.

Esse é um ponto nevrálgico da educação. Seu apego aos métodos que faziam sentido (muitas vezes nem isso) em outros momentos históricos, agora soam anacrônicos, fora de lugar, incapazes de dar conta dos desafios do século XXI. Por isso é tão importante que a sociedade como um todo se organize para reivindicar escolas inovadoras, afinadas com o seu contexto contemporâneo, capazes de produzir conteúdos significativos para seus alunos, engajá-los num aprendizado efetivo, tornando o ato de aprender um prazer e uma necessidade tão vital que se torna imperativa, condição sine qua non para transitar com desenvoltura no mundo atual.

Por isso elencamos para vocês neste artigo algumas características-chaves que determinam se uma escola está no caminho da inovação ou se ainda está apegada a fórmulas desgastadas do passado. Nem todas as escolas inovadoras dão conta de todos estes aspectos. Algumas começam a mudar pelo conteúdo em si, outras pela construção do espaço, outras pela formação diferenciada de seus educadores. O mais importante, no entanto, é o espírito de inquietude que acompanha todas as escolas que estão no caminho da inovação. Olhar para o lado e não se contentar com o que está posto. Arrumar e rearrumar as coisas até que façam mais sentido para a comunidade escolar.

.

Enfoque holístico no processo de ensino-aprendizagem

Esse ponto é bem determinante para definir uma escola inovadora. Nesse contexto, todas as inteligências estão em foco. Não somente a cognição, memorização e o raciocínio lógico são valorizados. A escola inovadora está interessada na formação do sujeito como um todo, acolhendo todas as suas dimensões: sociais, artísticas, emocionais, políticas, comportamentais etc. Somos seres múltiplos, multifacetados, com inúmeros talentos. Não faz sentido focar somente numa direção, desprezando o potencial de tantos outros elementos que nos compõem. Nesse contexto, faz ainda mais sentido que as diferentes disciplinas estejam interconectadas, que se correlacionem, que apontem em direções semelhantes, articulando saberes antes vedados e distantes. A interdisciplinaridade é essencial nesse ecossistema.

projeto Ancora
Projeto Âncora, em SP

.

Uso da tecnologia

É importante deixar claro que não estamos falando do uso de recursos digitais pura e simplesmente. A mera inserção do computador na sala de aula não faz de uma escola um projeto inovador. O que possibilita é o uso dessa ferramenta, integrada com os múltiplos aspectos da aprendizagem. Esse casamento permite que os aprendizes possam ter contato com linguagens contemporâneas de acesso a informação socialmente acumulada e, assim, a aprender a pensar dentro dessa lógica digital. Com isso, cria-se acesso a estudos no campo da robótica e da programação, utilizando equipamentos que estejam à serviço de uma trilha de conhecimento adequada para a faixa etária em questão, gradativamente oferecendo desafios que estimulem a curiosidade e o avanço na aquisição de conteúdos cada vez mais complexos.

.

Personalização da aprendizagem

Se partimos do pressuposto que somos diferentes, únicos, da mesma forma deveria ser encarado nosso processo singular de aprendizagem. Enquanto uns têm facilidade no campo das exatas, outros se destacam no uso das linguagens. Cada um com seu ritmo e suas características. Então, seria de se esperar que essa cadência particular de cada um de nós fosse respeitada em escolas inovadoras, fugindo da tentação de padronizar o ensino como se todos fossem uma massa moldável em uma mesma fôrma. Há inúmeras formas de respeitar o processo de cada aprendiz, incluindo plataformas de autoaprendizagem já em voga em inúmeras instituições do país. É importante, no entanto, garantir que mesmo respeitando os ritmos e aspectos individuais, um currículo mais abrangente será respeitado e devidamente apresentado ao aprendiz. A diferença é que a intenção nesse caso não seria em comparar um aluno com outro, mas o próprio aluno com ele mesmo, explicitando seu caminho de aprendizagem, seus desafios e conquistas.

Nave Recife
Escola Nave em Recife

.

Organização do espaço

Se você visitar uma escola e se deparar com um espaço que apresente carteiras enfileiradas, quadro negro à frente, biblioteca afastada das salas de aula, poucos recursos para vivência artística e ausência de laboratórios de experimentação de conteúdos, pode ter certeza que está diante de um projeto tradicional de educação. Ou seja, algo na contramão da inovação.

Uma escola inovadora sabe que é possível aprender de diversas formas: seja debaixo de uma árvore, na cozinha, na quadra de esportes, nos laboratórios, diante de livros dos mais variados gêneros, em frente às telas de televisores e computadores, por meio do uso qualificado de celulares, acessando ferramentas de busca na internet, caminhando pelas praças do bairro, articulando ações com as comunidades do entorno ou resolvendo problemas e criando novas soluções para antigos dilemas. Portanto, o espaço de uma escola inovadora será, muito provavelmente, colorido, com mobílias que aproximem o contato humano, permitindo conforto para os aprendizes e tutores, assim como mobilidade na rearrumação das salas e ambientes de aprendizagem. Flexibilidade é a palavra predominante. Em seguida, deve-se pensar em aconchego e no prazer por frequentar ambientes estimulantes do ponto de vista visual, tátil, auditivo e sensório-motor.

.

Papel dos professores

Um professor inovador tem um papel redimensionado num projeto de ensino-aprendizagem que respeita os ritmos e interesses dos aprendizes. Ele não é mais o dono do saber.  É alguém, antes de tudo, inquieto. Alguém que corre riscos, que apresenta o conteúdo de maneiras diferentes, seja por meio do que chamamos de sala de aula invertida, seja buscando novos objetos de aprendizagem, seja formulando sua aula em cooperação com outros educadores, trazendo desafios que estimulem a criatividade dos alunos, ou mesmo se colocando na função de alguém que auxilia o aprendizado, que facilita o acesso a informações, que dialoga com as questões da escola e da comunidade, que reconhece que os conteúdos precisam ser significativos e precisam fazer sentido no mundo contemporâneo para que sejam absorvidos com maior eficácia. É alguém que não se contenta com livros didáticos ou aulas pré-montadas, que reinventa os caminhos, pega atalhos, desvia do lugar comum e da repetição de fórmulas. E aprende sempre. Porque sabe que a aprendizagem contínua é uma marca definidora do nosso tempo.

.

Organizar uma escola inovadora não é tarefa fácil nem acontece da noite para o dia. É preciso que toda a comunidade educativa se envolva nesse projeto, traga ideias, se esforce para sair da zona de conforto, tendo uma postura de curiosidade e abertura para o novo. Mas certamente todo esse esforço tem suas compensações: aprendizes mais interessados, cotidiano escolar revigorado, conteúdo significativo e correlacionado diretamente com o mundo contemporâneo. E a certeza que aprender sempre é o que nos motiva a seguir caminhando e forjando uma sociedade mais justa, acolhedora e inventiva.

Escola Orestad
Ørestad Gymnasium- Dinamarca

.

*DEBORA GARCIA É PEDAGOGA, MESTRE EM EDUCAÇÃO PELA UFF, FULBRIGHT SCHOLAR PELA GEORGIA STATE UNIVERSITY, GA, E ESPECIALISTA EM GESTÃO DO CONHECIMENTO PELA COPPE-UFRJ. É GERENTE DE CONTEÚDO DO CANAL FUTURA E UMA DAS AUTORAS DO LIVRO “DESTINO: EDUCAÇÃO – ESCOLAS INOVADORAS”, PUBLICADO PELA FUNDAÇÃO SANTILLANA/ED. MODERNA. EM 2017, EM CONJUNTO COM DANIELA KOPSCH E DANIELA BELMIRO, IDEALIZOU E CRIOU O BLOG “3DEVI”, UM ESPAÇO PARA CONTOS, ENSAIOS E REFLEXÕES DA MULHER CONTEMPORÂNEA.

  .

Leia outros artigos da Debora:

SHARE

Como reconhecer uma escola inovadora?