Colunas

Design Thinking na Educação: caminhos e possibilidades

As educadoras Vanessa Giron e Elisangela Goulart encerram sua série de artigos sobre Design Thinking na Educação. Confira os maiores aprendizados!

Na metade do primeiro semestre deste ano, iniciamos a nossa coluna aqui na Geekie para compartilhar com outros professores e gestores escolares o uso do pensamento visual e do Design Thinking no trabalho que realizamos em nossa escola. Desde então, escrevemos sete artigos e obtivemos mais de 21 mil visualizações do público interessado nesses temas. Sabemos o quanto a educação no nosso país tem realidades diferentes e o quanto o nosso público é diverso; por isso, ficamos muito contentes por interagir com tantas pessoas e pelo retorno positivo que tivemos, através dos comentários nos nossos artigos e dos e-mails que recebemos.

É muito gratificante para nós poder ajudar de alguma forma milhares de profissionais da educação a pensar sobre sua sala de aula e sua escola de forma criativa e inovadora, características essenciais no século 21. E esse compartilhamento de experiências e de novas ferramentas e abordagens de trabalho só foi possível graças à nossa parceria com a Geekie.

Nesses últimos meses, falamos sobre o uso do pensamento visual nas nossas práticas docentes e demos sugestões de como aplicá-lo tanto na gestão escola quanto na sala de aula, mostrando que inovar em uma escola não necessariamente custa caro, mas é acessível a todos de acordo com a sua realidade e necessidade, bastando apenas alguns materiais de papelaria e criatividade.

Ebook: Pequeno glossário de inovação educacional

Pensamento visual para gestores, professores e alunos

Sendo assim, o pensamento visual e o Design Thinking têm muito a contribuir no contexto educacional, podendo ser fundamentais nas mudanças de que a educação tanto necessita. Os gestores escolares podem, por exemplo, utilizar o Design Thinking para resolver os principais desafios da escola de forma coletiva, criativa e participativa, envolvendo toda a comunidade escolar na solução desses problemas – o que estreita vínculos, dá a todos a noção de pertencimento e estimula a proatividade e o zelo pelo ambiente e pelas relações.

O pensamento visual pode ser usado na mediação de reuniões, tornando-as mais leves, agradáveis e produtivas, pois ajuda a otimizar o tempo e, consequentemente, recursos, por tornar esses processos mais objetivos. Além disso, é possível usar as ferramentas de pensamento visual na formação pedagógica dos professores, por meio de oficinas e dinâmicas, e no planejamento estratégico com a equipe de gestão.

O professor, por sua vez, por meio do pensamento visual, tem a possibilidade de melhorar as suas aulas desde seu planejamento e até mesmo na avaliação de seus alunos, organizando os conteúdos a serem ministrados e a melhor forma de avaliar cada um deles. Mesmo saindo da sala de aula, o pensamento visual pode ser muito útil para que ele organize sua rotina, seus estudos e para planejar estrategicamente a sua carreira profissional, estabelecendo planos e metas a curto, médio e longo prazo.  

Para o aluno, estudar em ambiente que utiliza essas ferramentas do pensamento visual ajuda-o a organizar os conteúdos aprendidos, tornando-o um gestor de sua própria aprendizagem. Ele também passa a enxergar o conhecimento de forma significativa e aplicável no seu dia a dia, tanto como estudante quanto como cidadão. Já o Design Thinking transforma o aluno em alguém participativo no contexto escolar, desenvolvendo a sua capacidade de trabalhar em equipe e de se colocar no lugar do outro, habilidades essenciais para a vida em sociedade e para um mercado de trabalho tão competitivo e carente de profissionais com as chamadas habilidades do século 21. A experiência é muito rica para os alunos em idade escolar, uma vez que a grande maioria das pessoas só entra em contato com abordagens semelhantes na universidade ou no mercado de trabalho.

Sendo assim, acreditamos que é muito importante que gestores e professores apoderem-se dessas ferramentas, buscando novas formas de resolução de problemas e de organização do pensamento. Assim, serão capazes de transformar o ambiente escolar, independentemente do contexto em que estão inseridos, em um espaço que priorize, desperte e estimule a empatia, a criatividade e o trabalho coletivo. Temos certeza de que os resultados alcançados serão muito positivos, assim como os que nós obtivemos!

Gostou desse conteúdo? Também podem te interessar:

* Elisangela Goulart e Vanessa Giron são colunistas do InfoGeekie. Elisangela é professora e geógrafa de formação, com MBA em educação cognitiva. Professora desde 2010 no Centro Estadual de Educação Tecnológica “Paula Souza”. Utiliza o Design Thinking e o Pensamento Visual nas suas práticas educacionais desde 2015. Entre em contato: emottagoulart@gmail.com

* Vanessa Giron é formada em Letras, português e grego clássico, e mestre em Letras Clássicas pela USP. Professora desde 2011 e Coordenadora de Ensino Médio desde 2015, no Centro Estadual de Educação Tecnológica “Paula Souza”. Utiliza o Design Thinking e o Pensamento Visual nas suas práticas educacionais desde 2015. Entre em contato: profvanessagiron@gmail.com

1 Comment

  1. 21 de setembro de 2016 at 16:52 — Responder

    Marcelalorenzoni.
    Agradeço a materia enviada a meu e-mail e queria saber mais sobre termo Design Thinking na educação: caminhos e possibilidades
    Tudo que você precisa saber sobre formação de professores

    Ah, e não se esqueça de que o Congresso Internacional e Interuniversitário Contra a Pobreza Infantil no Mundo está com vagas abertas! São painéis e workshops incríveis sobre inclusão, tecnologia, migração, habilidades socio-emocionais, neurociência…
    O que neuro-evoluction da proposta para América inteira embarcar na plataforma a linga espanhola trás sua raiz base da mesma catalã – como melhorar o aprendizado e no Inglês quais são as tecnicas que podemos aproveitar? .
    -A tecnologia traz surpresas..

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *