Notícias

Como usar o Geekie Lab com os alunos no laboratório de informática da escola

(Na foto, alunos da E.E. Profª Etelvina de Góes Marcucci, na Vila Andrade, zona Sul de São Paulo, usando o Geekie Lab no laboratório de informática da escola. Imagem: Ana Prado/Geekie)

Este post faz parte de uma série que traz sugestões de práticas que podem gerar mais engajamento tanto dos alunos quanto dos professores na plataforma Geekie Lab. Para ver o post anterior, clique aqui.

Em uma escola, os estudantes têm duas aulas semanais de filosofia, de 50 minutos cada. Eles passam a primeira em um laboratório de informática, usando recursos online para adquirir um conhecimento introdutório do tema definido pelo professor. Na aula seguinte, têm o conteúdo com o professor na sala de aula, para se aprofundar no tema e aplicar os conceitos aprendidos anteriormente.

Esse método, chamado lab rotation (laboratório rotacional), é uma das formas mais simples de se implantar o ensino híbrido (ou blended learning) na escola – e é o meio adotado por várias das cerca de 650 escolas que usam a plataforma Geekie Lab em todo o Brasil.  No entanto, embora seja simples, ainda é necessário que haja uma proposta pedagógica bem definida por trás de tudo. É nisso que este post vai ajudar.

A proposta

Utilizar o Geekie Lab no laboratório de informática durante parte do período regular de aula, para que os alunos aprendam o tema pela plataforma e o professor possa utilizar a sala de aula, posteriormente, para trabalhar o conteúdo de outras formas (desenvolvendo projetos, realizando debates, trabalhando exercícios de contextualização do conteúdo e tirando dúvidas, por exemplo). Com isso, a plataforma fica mais profundamente integrada à rotina escolar e, principalmente, à proposta pedagógica da escola.

Alunos da E.E. Professor Ascendino Reis, do Tatuapé, zona Leste de São Paulo. (Foto: Ana Prado/Geekie)
Alunos da E.E. Professor Ascendino Reis, do Tatuapé, zona Leste de São Paulo. (Foto: Ana Prado/Geekie)

Isso é possível porque o Geekie Lab reúne conteúdo que abrange todo o Ensino Médio e o disponibiliza em mais de 600 aulas, cada uma com videoaulas, textos e exercícios. Desta forma, o aluno encontra o que precisa para ter uma visão geral sobre o tema e tem a opção de estudar de forma autônoma, controlando o tempo, ritmo e até mesmo lugar onde estuda, sem depender somente da explicação do professor autonomia que é parte importante da metodologia do ensino híbrido.

O professor, por sua vez, adquire um papel mais próximo ao de um tutor: como a sala de aula fica para um segundo momento, depois de os estudantes já terem se familiarizado com o tema, ele pode usar esse período para tirar dúvidas, contextualizar os conhecimentos e realizar atividades que explorem a matéria de outras maneiras. Também fica possível dar atenção personalizada às necessidades dos estudantes e acompanhar de maneira mais próxima a sua evolução.

Sugestão para implementação

A escola pode construir acordos com os professores para que eles disponibilizem uma das suas aulas (ou parte delas) para as atividades online. A instituição também pode disponibilizar esse tempo fora das disciplinas, caso exista alguma janela.

É necessário notar que as atividades virtuais e presenciais devem ser complementares: aquelas desenvolvidas online não devem substituir a interação com o professor e vice-versa. Assim, deve haver um planejamento para que a plataforma realmente se integre ao plano de ensino do professor.

Os alunos, por sua vez, precisam ser estimulados a aprender com as aulas online. Para isso, podem ser orientados a levar seus cadernos ou usar um editor de texto do computador para fazer anotações (desde que elas possam ser salvas e mantidas entre os arquivos do estudante). Essa integração os ajuda a não ver a plataforma como uma tarefa extra e perceber todo o conteúdo e as atividades relacionadas a ele como algo que está integrado ao seu processo de aprendizagem.

Também é importante incentivá-los a anotarem suas dúvidas e outros pontos que acharem interessantes para que sejam discutidos com o professor na segunda parte da aula. Dificuldades que aparecerem nas questões a serem respondidas na própria plataforma também podem ser levadas para a discussão.

Para garantir a atenção dos estudantes, pode ser útil que o professor, tendo adquirido conhecimento prévio do conteúdo disponível na plataforma, faça anteriormente algumas questões para que os estudantes façam as aulas da Geekie já direcionados para buscar essas respostas.  

Com a nova função de “tarefas de casa”, é possível ao professor selecionar previamente algumas questões específicas para serem respondidas pela turma – o que pode ser feito tanto na primeira parte da aula, após eles terem estudado com a aula da plataforma, quanto depois da segunda parte, para avaliar o nível de compreensão ao final de todo o processo.  

O "painel de tarefas", área da plataforma em que os professores podem selecionar questões para que os alunos resolvam.
O “painel de tarefas”, área da plataforma onde os professores podem selecionar exercícios para que os alunos resolvam.

Requisitos

A escola precisa ter computadores ou tablets e uma boa conexão com a internet. Muitos colégios têm seus equipamentos configurados para restringir o acesso apenas a alguns sites permitidos, garantindo assim que a turma não se disperse e não acesse conteúdo impróprio. Também é recomendável que os alunos tenham fones de ouvidos para que possam se concentrar e ouvir com clareza as videoaulas.

 

 

SHARE

Como usar o Geekie Lab com os alunos no laboratório de informática da escola