Colunas

Como multiplicar boas práticas nas escolas? Conheça os relatos de 5 professores que transformaram a escola por meio da tecnologia

Especial professores multiplicadores

Como professores e professoras enxergam suas salas de aula? No contexto social que nos é apresentado nos dias de hoje, estudantes precisam de muitos outros estímulos que vão além das aulas tradicionais para um aprendizado efetivo. A implementação da tecnologia em escolas se tornou um caminho para solucionar essa lacuna, mas ainda é vista com certa incerteza por alguns educadores.

Embora estudos apontem que o Brasil ainda seja o quinto país com pior desempenho na relação entre docente-discente entre os 37 países que compõem a OCDE¹, mais de 80% dos educadores já sentem que os avanços da tecnologia vem mudando a forma do ensino², e 59% deles sentem necessidade de desenvolver habilidades relacionadas à tecnologia³.

Pensando nisso, o projeto Professor Multiplicador Geekie foi criado para dar apoio personalizado de maneira constante para a equipe docente no momento da implementação da solução Geekie One. Assim, no começo de 2018, escolas parceiras convidaram um professor ou uma professora para dar suporte a professores e alunos e também para ajudar na experiência de uso da ferramenta.

Para ilustrar as transformações vividas por cada um desses educadores, construímos uma série de cinco artigos que narram a experiência desses professores e professoras que se viram transformados em multiplicadores!

Relembre a agenda de artigos do Especial:

  1. Maja Callegari: “O que, de fato, significa ser uma professora multiplicadora?”
  2. Rafael Ribeiro: “A importância do professor multiplicador na organização escolar”
  3. Adislan Fernandes: “Quais foram os resultados de ser “Professor Multiplicador Geekie” para a minha vida profissional? #sóvai
  4. Bruno Abdon: “O engajamento dos professores no novo fazer pedagógico”

Confira abaixo o primeiro relato, escrito por Maja Callegari, assessora de tecnologias educacionais do Colégio Koelle.

O que, de fato, significa ser uma professora multiplicadora?

Por Maja Callegari

No início de 2018, fui indicada pelo diretor pedagógico do Colégio Koelle para fazer parte da equipe de professores multiplicadores da plataforma Geekie One, função que aceitei prontamente com muita ansiedade, pelas oportunidades de aprendizagem que me seriam apresentadas. E, assim, iniciei uma das minhas maiores experiências na área de gestão educacional!

Fui apresentada à consultoria da Geekie que, por meio de trocas virtuais, mostrou, tanto para mim quanto para outros professores multiplicadores, metodologias ativas e processos de inovação em gestão escolar. Considero que essa oportunidade foi um privilégio, pois essa troca proporcionou maior visibilidade e novas oportunidades para nossa comunidade escolar.

Maja Callegari Koelle

Ao aceitar trabalhar como integrante da rede de professores multiplicadores, tive acesso a várias ferramentas inovadoras de gestão e a treinamentos, que possibilitaram que eu aprimorasse meu trabalho como assessora de tecnologias educacionais. Como parte do time de professores multiplicadores, que é formado por pessoas de diferentes personalidades, escolas e competências, tive a felicidade de encontrar soluções para os mais variados desafios que enfrentava, oriundas de longas conversas e de trocas de experiências em encontros semanais com os outros multiplicadores e com a consultoria da Geekie.

Participar de um encontro com os professores multiplicadores na sede da Geekie foi fundamental para nos aproximar ainda mais como equipe. Apesar de conversarmos todas as semanas através de trocas virtuais, ter a oportunidade de conhecer e interagir com todos pessoalmente foi uma experiência incrível. Ao termos a oportunidade de conhecer um pouco da história de cada um, criou-se um elo maior de parceria e união.

Como parte desse treinamento, nos foi apresentado o Design Thinking como ferramenta para buscarmos soluções para os problemas de cada escola de forma personalizada. A partir disso, desenvolvemos um plano de ação em conjunto com a consultoria para trabalhar os desafios da escola e buscar soluções.

Passo 1: Estratégias para desenvolver um projeto de valorização dos professores

Comecei a desenvolver o plano de ação, criando um mapa de empatia para os professores do colégio, que me contaram suas percepções sobre o uso da ferramenta.  Ao analisar o resultado, percebi que teria de sair em busca de soluções para que os professores se apropriassem de todos os recursos que a plataforma Geekie One tinha a nos oferecer.

A primeira atitude que tomei foi criar um grupo no WhatsApp com todos os professores que utilizavam a plataforma, para que pudéssemos realizar trocas de boas práticas. Assim, os professores puderam perceber o quanto a plataforma poderia potencializar a aprendizagem e facilitar o compartilhamento e gerenciamento dos conteúdos desenvolvidos durante as aulas.

O resultado foi melhor do que eu esperava, pois vários professores me procuraram para apresentar suas práticas. Foi assim que percebi que a valorização do meu trabalho era uma grande oportunidade de envolver os profissionais e convencê-los de que valia a pena utilizar as ferramentas oferecidas pelo Geekie One.

Do Whatsapp, migrei para o Instagram do colégio, e comecei a publicar aulas e práticas dos professores na rede. Isso gerou um grande interesse e muitos educadores me procuraram para pedir que eu fizesse o registro fotográfico de suas aulas e as publicasse no Instagram. Para facilitar o entendimento dos professores, também criei pequenos vídeos tutoriais personalizados sobre o bom uso e a importância das ferramentas do Geekie One. Depois de assistir aos tutoriais, nosso professor de Ciências pediu que eu o ajudasse a criar videoaulas, para que ele pudesse complementar suas aulas. À medida que o tempo passou, ele foi se aprimorando e passou a utilizar vários aplicativos nas suas apresentações.

Passo 2: Acompanhamento dos planejamentos junto à coordenação

Após analisarmos os planejamentos de sala de aula, criei alguns documentos para ajudar os professores a entenderem a diferença entre trabalhar com livro digital e plataforma digital. Como utilizamos iPads em nosso colégio, instrui e acompanhei os educadores no uso desse device. Como resultado, eles incorporaram vários aplicativos, com a intenção de enriquecer as aulas.

Em um desses encontros de boas práticas que começamos a realizar entre educadores, nos foi sugerido que criássemos um Manual de Boas Práticas. Mais uma vez, tive uma grata surpresa! Outros professores me procuraram e pediram para participar do manual, que acabou se transformando em um Portfólio de Boas Práticas do Ensino Fundamental II. A ideia deu tão certo que a direção do colégio me procurou para criarmos, no segundo semestre, portfólios de boas práticas para os demais níveis do colégio.

A implementação da tecnologia nas escolas vem sempre acompanhada de desconforto, pois, de repente, os professores se veem impelidos a mudar completamente suas práticas e sua forma de trabalho. Então, para termos uma história de sucesso, temos que realizar uma verdadeira mudança de cultura nas escolas. O tradicional já não é mais suficiente e mudar nem sempre é fácil ou agradável. Como estamos caminhando em direção a uma grande mudança em nossa concepção de educação, o ensino tradicional em seu antigo formato de lousa, giz e papel tornou-se obsoleto e insuficiente. Ao utilizarmos a tecnologia como ferramenta de inovação, propiciamos um ensino diferenciado e participativo, tornamos o aluno protagonista de sua aprendizagem, estimulamos o pensamento crítico e científico e desafiamos os professores a serem mais criativos. Este, certamente, é um caminho sem volta!

Prestar assessoria em educação tecnológica é desafiante e muitas vezes não é um trabalho bem visto pelos profissionais mais conservadores. Não é um desafio apenas em lidar com os professores. Muitos estudantes também são resistentes, pois ainda não entendem que a proposta é unir o que há de melhor nos dois mundos, otimizando os estudos e facilitando o processo de aprendizagem deles.

Maja Callegari Koelle

Mudanças demandam tempo e dedicação. É preciso acreditar, “comprar” a ideia. Com a ajuda da Geekie, senti-me amparada e preparada para enfrentar os desafios diários que a implantação de um projeto de ensino híbrido oferece. Eu me sinto uma vendedora de sonhos. Foi assim que me posicionei frente aos professores, alunos e pais. Acredito de fato que a tecnologia veio para mudar e melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Gosto de dizer que este é um trabalho de “formiguinha”. Dia a dia, acreditando e plantando, ajudando e construindo, apoiando e fazendo com que todos entendam que estamos juntos nesta empreitada e que juntos podemos tudo. Vejo esse projeto como uma transformação profissional e pessoal. Através dele descobri capacidades que não conhecia e ganhei oportunidades que nunca sonhei.

Hoje sinto-me uma profissional mais completa pois, sendo parte da rede de professores multiplicadores, pude entender que metodologias e dinâmicas são ferramentas de grande valor, mas saber onde se quer chegar, comunicação constante, trocas e valorização de experiências, parcerias em pesquisa e criação, buscar soluções com foco no problema e, principalmente, o senso de equipe e união é que promovem um verdadeiro ensino híbrido de qualidade. Com todas as experiências que vivi no projeto professores multiplicadores, percebi que sucesso em Educação Tecnológica tem um novo adjetivo: Geekie One!

Referências

¹School Leadership for Learning – OECD
²Driving the skills agenda: Preparing students for the future – The Economist
³Teachers’ ICT and problem-solving skills: Competencies and needs – OECD

Relembre a agenda de artigos do Especial:

  1. Maja Callegari: “O que, de fato, significa ser uma professora multiplicadora?”
  2. Rafael Ribeiro: “A importância do professor multiplicador na organização escolar”
  3. Adislan Fernandes: “Quais foram os resultados de ser “Professor Multiplicador Geekie” para a minha vida profissional? #sóvai
  4. Bruno Abdon: “O engajamento dos professores no novo fazer pedagógico”
SHARE

Como multiplicar boas práticas nas escolas? Conheça os relatos de 5 professores que transformaram a escola por meio da tecnologia