Colunas

Como a tecnologia empodera os alunos (segundo eles mesmos)

Em artigo publicado no site Nova Escola, Claudio Sassaki compartilha depoimentos de jovens que passaram no vestibular graças à plataforma da Geekie e reflete sobre como a tecnologia empodera os alunos no processo de aprendizagem. Leia parte do texto e acesse-o na íntegra neste link

Por Claudio Sassaki, CEO da Geekie

Acredito que um dos maiores prazeres no trabalho com Educação está em ver o resultado dos nossos esforços: alunos entendendo o conteúdo, vendo significado no que aprendem, estabelecendo objetivos sólidos e avançando em sua vida acadêmica. Eu tenho observado que a tecnologia, se bem utilizada pelos docentes, pode favorecer muito esse processo. Concorda comigo? Mas de que forma isso ocorre?

Eu acredito que a tecnologia dá mais poder ao professor e ao aluno. Fornece dados, cria novas possibilidades e resolve rapidamente atividades burocráticas. Os estudantes passam a ter mais autonomia, deixando de ser receptores passivos de informações para serem protagonistas do próprio aprendizado. Isso porque a tecnologia é capaz de fazer com que o aluno conheça melhor seus pontos fortes e fracos, e tenha insumos para aprender de forma mais eficiente, onde e quando quiser.

O que dizem os estudantes

Mas vou deixar que os próprios estudantes falem. Compartilho com você alguns dos relatos que recebemos de usuários do Geekie Games que estudaram em escolas públicas.

A escola tem um papel fundamental na inclusão social do aluno e em apontar as possibilidades e o caminho a ser seguido. Mas muitas vezes estudar somente no ambiente escolar não é suficiente, precisamos de um reforço extra. Ter autonomia para buscar seus sonhos é o que torna você diferente da maioria”.

Essa fala é de Francisco Sebastião de Sousa, de 19 anos, que terminou o Ensino Médio em 2015 e passou no curso de Sistema de Informação da Universidade Federal do Piauí. É interessante notar a maturidade de sua opinião sobre a importância do papel da escola. Abaixo, veja depoimento de Renan Lorenzon Rigotti, 17 anos, de Cuiabá (MT), aprovado no curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso:

“Ao voltar da escola, eu estudava pela internet e revisava os conteúdos diários. Resolvi muitas das dúvidas que tinha, principalmente em Física e Matemática. É fundamental revisar os conteúdos que você sente dificuldades quantas vezes for necessário”.  

Muitos alunos comentam sobre a dificuldade em administrar o tempo. Não é fácil estudar todo o conteúdo para o vestibular, realizar tarefas regulares da escola e ainda dar conta de outras atividades. O diagnóstico e a criação de um plano de estudos é algo importante para ajudá-los a ganhar tempo.

Leia o restante do artigo neste link.

 

2 Comments

  1. 7 de maio de 2016 at 21:16 — Responder

    ay Leonor, me sumo a tu comentario, ¨oficinas grises que nos esclavizan y cierran el corazon¨ …que gran verdad dices… y ésta tienda tan bella, gracias kireei por las imÃ;seneg&#8230¡!

  2. 20 de julho de 2016 at 08:30 — Responder

    Nada é mais óbvio do que a forte oposição do pensamento conservador a qualquer tentativa de aplicação de Recursos Tecnológicos, nos quais a TI se revela como ponta de lança. O Ensino e o Processo Educacional Brasileiro é atrasado simplesmente porque é conveniente que o “novo” permaneça isolado enquanto as praticas antigas garantam a manutenção de privilégios. Portanto, “forçar inovações” será contribuir para tirar o Brasil do atraso intelectual.

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *