Geekie em Pauta

Claudio Sassaki na TRIP Transformadores: o lado bom de errar

Quando a filha teve dificuldades na aula de programação, o CEO da Geekie Claudio Sassaki passou a refletir sobre a importância do erro na Educação. Ele escreve na série TRIP Transformadores sobre como punir erros pode podar a criatividade e aprendizagem dos estudantes. Confira!

A coluna “O bom de errar”, de Claudio Sassaki, foi publicada originalmente na TRIP Transformadores. Clique aqui para ler o conteúdo na íntegra.

Já mencionei aqui que tenho três – logo, quatro – filhos. E, como pai, é claro que quero elogiá-los o tempo todo: dizer que eles são inteligentes, talentosos. Todo rabisco com giz de cera é digno de moldura e todo gol na partida de futebol da escola é alardeado para família e amigos. Claro, fazia isso com a melhor das intenções, acreditando que os elogios constantes aumentariam a confiança deles.

Até que percebi que havia uma armadilha aí. Enquanto, para mim, eu estava construindo a autoestima dos meus filhos, ao mesmo tempo, estava os aprisionando em um modelo mental que os limita ao sucesso instantâneo. Sem querer, transmitia a ideia de que eles eram apenas tão bons quanto suas vitórias, seus acertos, suas inteligências, suas conquistas.

Baixe o ebook: Entendendo o aluno do século 21

Uma história recente ilustra bem esse dilema: no início deste ano, Luana, minha mais velha, começou a ter aulas de programação no contraturno escolar. Era difícil. Ela não conseguiu compreender imediatamente a lógica por trás daquela nova linguagem. Falou em desistir. Porém, ao contrário de outras atividades que ela poderia realizar facilmente, expliquei que aprender a programar era um desafio – e os desafios impulsionam nossa evolução.

Eu disse à Luana que, enquanto estivesse fazendo algo muito fácil, não estava se propondo a aprender nada de novo. E não é esse justamente o comportamento que incentivamos ao valorizar apenas acertos? Por que uma criança vai tentar desenvolver um aplicativo (ou plantar uma horta, ou tocar violão) se não sabe nada a respeito e, quando erra, costuma ser repreendida? Parece mais lógico continuar fazendo o que já sabe, o que vai lhe render prêmios e admiração.

Gostou? Continue lendo “O bom de errar”, de Claudio Sassaki, no portal TRIP Transformadores. Clique aqui continuar sua leitura.

Você também vai gostar de:

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *