Infográficos

Aprendizagem Maker: infográfico explica a tendência na Educação do século 21

A aprendizagem maker combina o “faça você mesmo” com a tecnologia de ponta. Veja o infográfico e conheça 3 formas de explorar essa tendência!

O movimento maker atrela a cultura do “faça você mesmo” com a tecnologia. Quando aplicado ao ambiente escolar, tem como objetivo promover a criação, a investigação, a resolução de problemas, a originalidade e a resiliência. Na aprendizagem maker, é importante pensar fora da caixa, buscar soluções criativas e saber aproveitar ao máximo qualquer recurso.

Ao criar algo – seja uma alavanca de palitos de picolé, seja um game online – os estudantes podem compreender conceitos, colocando-os em prática, levantar questionamentos de acordo com o contexto e mesmo exercitar habilidades socioemocionais, dependendo do objetivo do professor ao propor a dinâmica. Tudo caminha para tornar a educação mais significativa.

Como explorar a Aprendizagem Maker

As possibilidades de aplicação da aprendizagem maker vão desde as aulas expositivas (o que seria um primeiro passo, ou um nível inicial, adaptável à maioria das salas de aula) até o desenvolvimento de projetos onde o aluno é protagonista (em que a aprendizagem maker atinge todo seu potencial). O Grupo Makers explora esses níveis de aprofundamento da seguinte forma:

  • Expositivo: o professor cria os protótipos que serão utilizados em sala de aula sem a participação dos estudantes. Nesse caso, a maior vantagem é o educador ser capaz de criar seu próprio conteúdo; paralelamente, ele gera aulas mais atrativas e facilita a compreensão do tema com demonstrações práticas.
  • Participativo: aqui, alunos já possuem voz no processo de ensino-aprendizagem, sugerindo projetos a partir do tema central da aula – porém, a palavra final ainda é do professor. É ele quem vai selecionar, orientar e direcionar o trabalho da turma, trazendo exemplos, levantando questões e propondo desafios.
  • Mão na massa: o último estágio implica um grau mais elevado de interatividade. Os alunos conquistam autonomia no manuseio de tecnologias e ficam livres para desenvolver suas próprias soluções. Eles são responsáveis por todo o trajeto, desde o planejamento e a documentação do projeto até a avaliação dos resultados.

Vamos imaginar uma aula de física em uma abordagem Participativa: a turma pode decidir construir uma catapulta, por exemplo. Esse será o objetivo final, a ser atingido igualmente por todos, com apoio de educadores. Já em uma abordagem Mão na massa, o professor pode debater com os estudantes um problema da comunidade local e, em grupos ou individualmente, eles terão espaço para criar soluções com os mais diversos recursos – ou seja, não há um resultado esperado no início do projeto; pelo contrário, a partir de um ponto de partida, seguem-se caminhos diferentes.

O que preciso para a Aprendizagem Maker

Laboratórios maker podem contar com uma série de equipamentos, como impressoras 3D, óculos 3D, sensores, cortadora a laser, notebooks, softwares e ferramentas.

Entretanto, a tecnologia de ponta não é o mais importante, mas sim a experimentação e o trabalho colaborativo. O movimento maker defende que errar deve ser visto como etapa natural de qualquer processo de aprendizagem – não como uma falha ou algo que “tire nota” do aluno.

Aprendizagem Maker: infográfico

Aprendizagem Maker

Gostou? Você também vai curtir as matérias abaixo:

4 Comments